Pular para o conteúdo principal

PRÁTICA BUDISTA EM TIMÓTEO, MG


Fundação do Bloco Sol no Coração, em 03 11 13, em Timóteo, MG.

         Nos últimos anos, tem crescido de forma contínua o interesse pelo Budismo, seja de parte de pessoas que buscam obter mais informações sobre esta que é a quarta religião mais popular do mundo, seja de parte de quem já se identifica com sua filosofia humanista e deseja iniciar a prática. No segundo caso, o mais natural é procurar um centro ou comunidade próxima – e ter a boa sorte de encontrar uma.
         No Vale do Aço em Minas Gerais, podemos contar com a mais antiga comunidade de praticantes do estado, desenvolvida a partir de 1962, através de imigrantes japonesas que vieram trabalhar na Siderúrgica Usiminas. Em 1972 foi criada oficialmente a comunidade pioneira do Bom Retiro, na cidade de Ipatinga. O desenvolvimento desde então tem sido vigoroso, e o Budismo de Nichiren Daishonin, tal qual praticado pela Soka Gakkai, tem conquistado cada vez mais adeptos na região.
         Em Ipatinga está situado o Kaikan, centro regional, e dezenas de Blocos - grupos de praticantes que se reúnem regularmente em casa - encontram-se espalhados pelos municípios de Ipatinga, Coronel Fabriciano, Timóteo, Caratinga, Dionísio e Governador Valadares.
         Devido à proximidade geográfica e/ou afinidade, muitos membros de Timóteo frequentam blocos de Ipatinga; outros integram o Bloco Sol no Coração, criado no final de 2013 para aglutinar os praticantes locais.
         Graças a seu empenho pelo Kossen Rufu (promoção dos valores da paz, cultura e educação), os centros da BSGI (abreviatura para Brazil Soka Gakkai International), como o Bloco Sol no Coração, promovem uma grande abertura em relação à comunidade, tornando o Budismo acessível e sem mistérios.
         Ao promoverem esse diálogo, atendem ao desejo manifesto do Buda de que o seu ensinamento, uma vez compreendido e aceito, seja naturalmente transmitido a outros, sem distinção de qualquer natureza.

Reunião do Bloco Sol no Coração em Timóteo, MG.

         A iniciação à prática budista não exige pré-requisitos e deve ser vista, quando a oportunidade se apresenta, como um fator de imensa boa sorte, uma vez que ela abre as portas à mais profunda e perfeita ferramenta para penetrar os mistérios da mente e do espírito humanos e permite dissipar a escuridão da ignorância.
         Pratica-se o Budismo, antes de mais nada, para se ter energia para superar os desafios da vida e ser feliz. Isso é possível através da devoção à Lei Mística ou Myoho Renge Kyo (pronuncia-se “Miorro rengue kiô”), que é o verdadeiro fundamento de todos os fenômenos, a realidade imutável que permeia o mundo em constante transformação.
         Devoção aqui significa uma opção consciente em situar os ensinamentos do Buda como o eixo de sua vida e pautar sua conduta e sua ação por esses ensinamentos. É importante lembrar que a Lei Mística não é uma abstração teórica e nem supõe a existência de uma entidade sobrenatural que governa a vida dos seres de fora para dentro. Ela permeia todos os fenômenos e todas as formas de vida e se revela quando se desperta o Estado de Buda inerente – ou seja, ela é parte integrante de nossa natureza, basta ativá-la. Se vivermos alheios a ela, obteremos pouco benefício, mas se a tornarmos o centro de nossa existência, os benefícios serão ilimitados. Ela é a fonte da sabedoria e da energia vital que nos permite levar uma existência virtuosa, feliz e próspera, em nosso benefício e de todas as outras pessoas.
©
Abrão Brito Lacerda
28 05 17

         

Comentários

  1. Bela matéria, Abrão.
    Uma honra estar no movimento!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em linguagem direta e simples, com o objetivo de aproximar o leitor da prática budista.

      Excluir
  2. Parabens ao bloco e a comunidade Budista de Nitiren Daishonim. Eu nasci em Bh mas moro em caxias a 28 anos. Fico feliz saber que tem comunidade pro a BH tenho meus parentes que moram mas naonpraticam. Por falta de acompanhanto. Bom dia a todos de Timoteo muita saude a todos tambem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Leonia. Por falha na comunicação do meu e-mail, só agora tomei conhecimento do seu comentário. Obrigado pelas gentis palavras. Ser um discípulo do Buda e recitar o Nam Myoho Renge Kyo é a maior das alegrias. Somos tranquilos e persistentes. um abraço.

      Excluir
  3. Parabens ao bloco e a comunidade Budista de Nitiren Daishonim. Eu nasci em Bh mas moro em caxias a 28 anos. Fico feliz saber que tem comunidade pro a BH tenho meus parentes que moram mas naonpraticam. Por falta de acompanhanto. Bom dia a todos de Timoteo muita saude a todos tambem.

    ResponderExcluir
  4. A única comunidade budista do Vale do Aço é a da tradição de Nitiren ou existem grupos de outras escolas, como o Zen, por exemplo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, desculpe ter demorado na resposta. Não tenho conhecimento de outras comunidades budistas na região.

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de