Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2016

OUVI NA RUA

Tá difícil ler os jornais. É tanta notícia cabeluda que dá vontade de gritar como na música de Sérgio Britto: “Pare o mundo que eu quero descer!” Nem o Facebook escapa ileso, agora até o Mark Zuckerberg, seu criador, passou a acessar a rede com a câmera tapada com fita crepe - para não ser vigiado!              Tem hora que é preciso fugir das mídias que tentam nos governar e ir ver a gente em redor, gente comum – oh yeah! Como diria um amigo – como os que cruzam comigo quando atravesso a faixa de pedestres em direção à padaria.             Passo pelo ponto de táxi. Alguém grita para o taxista, escorado no carro:             - Sebastião, não fica olhando para cima, vai cair “reboque” no seu olho!             Sebastião, o taxista, é um grande barbeiro. Peguei seu táxi algumas vezes, mas tive que parar quando ele faltou entrar debaixo de um ônibus em uma esquina! E não é diferente dos outros taxistas da cidade, todos aposentados e alguns já sem bons reflexos para a direção.    …

O BUDISMO E A RELIGIÃO DO SÉCULO XXI

O cientista social francês Paul Jorion lançou recentemente um livro (Le dernier qui s’en va éteint la lumière, “O último a sair apague a luz”, Fayard, 2016) em que fala do iminente desaparecimento da espécie humana diante da monetarização da vida e da conversão de tudo em  unidade contábeis. Como nesse campo as máquinas já se tornaram muito mais performáticas do que as pessoas, o lugar do ser humano no mundo está seriamente ameaçado, ele adverte. Para redimir essa crise existencial da espécie, ele propõe uma solução espiritual, através de uma religião “ateia”.             Que um cientista recorra à religião para resolver um problema gerado pelo “progresso” é bastante curioso, mas não deixa de representar uma reação sintomática que identificamos em muitos pensadores de nossa época. Há quem afirme que o século XXI será o século da espiritualidade, em reação ao materialismo do século XX. O grande problema é que, diante do desafio fundamental do Quo Vadis (destino), o homem pós-moderno re…