Pular para o conteúdo principal

INDEPENDÊNCIA DE MORTE!


(Imagem: www.memorialculturalunaí.blogspot.com)

            Quase véspera do dia 7 de setembro, a fessora Juliana perguntou à turma do 5º ano:
            - Por que segunda-feira que vem é feriado?
            Juquinha levantou a mão:
            - É porque meu pai disse que temos que ir no sítio da vovó fazer um churrasco e eu vou montar a cavalo e ir passear no córrego...
            - Buuuuu!  Nerd apelão!
            - Gabriel, o que comemoramos em 7 de setembro?
            Gabrielzinho ficou no aperto, tinham-se passado duas semanas da prova e ele agora confundia as datas. Arriscou com um fio de voz:
            - Proclamação da República?
            - Quá! Quá! Quá!...
            - Silêncio! – tia Juliana começou a ficar inquieta. – Alguém conversou com os pais a respeito?
            Ivan, o terrível, se apresentou:
            - Falei com minha mãe, ela disse que não podemos comemorar nada ainda porque temos que economizar para a viagem à Disney no mês do Halloween...
            - Uá! Uá! Vai virar o Wizard do Don’t Starve!


(Imagem: www.profisabelaguiar.blogspot.com)

            Por essas e outras, as antigas celebrações cívicas perderam lustro e prestígio e hoje estão confinadas ao cercado da Dilma em Brasília. Com uma ou duas exceções, como a que pude testemunhar nesta sexta-feira, antevéspera do 7 de setembro: desfile antecipado em pleno centro comercial da cidade, entre carros e pedestres, com alas organizadas e faixas alusivas, de pirraça, sem dúvida, para lembrar aos desmiolados compatriotas que o Brasil tem história e, se o presente é capenga e o futuro incerto, o passado merece ser exumado e reescrito.
            Havia até mesmo uma ala de escravos no desfile cívico dessa sexta-feira, com meninos trajando calças de algodão grosso e atados uns aos outros pelos punhos. Como na mente infantil ser escravo ou imperador dá no mesmo, afinal tudo é carnaval, melhor é desfilar em trajes mais adequados ao clima tropical do que envergar um terno de veludo e meias de algodão só para representar o monarca – que nem sequer era brasileiro, foi mandado de volta a Portugal com a proclamação da república. Dizem que só não mandaram os negros juntos porque o navio era pequeno.
(Imagem: www.dudelamonica.
blogspot.com)
            Nos meus tempos de escola primária, ansiávamos pelo 7 de setembro como Juquinha ansiava pelo passeio ao sítio da vovó. Em uma ocasião, fui selecionado para integrar a ala dos escravos da Escola Municipal Machado de Assis (nome que eu estranhava, pois, para mim, menino de roça, acostumado com foices e outros utensílios, aquilo só poderia ser “machado de aço”!). Para aumentar a autenticidade, nós, brancos e pardos, fomos bezuntados de azeite com pó de carvão. Ficamos mais pretos do que os próprios africanos, das orelhas até as solas dos pés.

            Sob um sol de mais de trinta graus, enfrentamos o inferno pelas ruas de terra, arrastando correntes e ainda mais com o capitão do mato (um menino maior, adereçado com botas, chapéu pontudo e bacamarte) berrando aos nossos ouvidos. Naquela época a coisa era tomada a sério, havia palanque e comissão julgadora para escolher os melhores dentre todas as escolas. Não levamos o prêmio, mas, surpresa, um garimpeiro recém-chegado da lavra comoveu-se com nosso infortúnio e anunciou publicamente:
            - Vou oferecer uma “pedra azul” aos escravos!
            E ofereceu mesmo, para alarde dos alunos da escola “Machado de Aço”.
            Fomos aplaudidos como heróis, provavelmente a única vez em que isso aconteceu com um bando de escravos. Levamos um emocionado abraço do professor Marivaldo, idealizador do desfile, que nem sequer se importou em levar para casa um pouco da nossa borra de carvão impregnada na roupa.
            O imperador e seu séquito, com pajens e trambiqueiros, ficou morrendo de inveja. A Pedrita foi exibida como digno troféu pelos falsos meninos negros, mas o professor Marivaldo, com ares de sábio conselheiro, e com a anuência da diretora, declarou:
            - O prêmio é para toda a classe. Dá para fazer uma excursão de fim de ano.
            As semanas seguintes foram de frenéticos planos de viagem, praia, cachoeira, talvez alugar uma sorveteria. Só que a venda da pedra estava demorando demais. O professor Marivaldo, que tinha vindo de fora trabalhar na vila, andava matando aula, logo veio a explicação: ele tinha ido consultar pedristas (nome dado aos comerciantes de pedras) em Teófilo Otoni e além, buscando o melhor preço, agora já orçado na casa dos milhares de cruzeiros.
            Esperamos até o final do ano, o professor Marivaldo nunca voltou.


(Imagem: www.naufragodautopia.wordpress.com)

©
Abrão Brito Lacerda

09 09 15

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de