segunda-feira, 23 de março de 2015

UN, DEUX, CATASTROPHIQUE!


(Imagem: www.palmyre-equimage.blogspot.com)

            Emmanuel P. Taitre arrive à la boulangerie:
            - Deux saucisses du Rhin pour mon chien et un camembert pour ma souris.
            - Vous vous moquez de moi, monsieur, répond une voix féminine de derrière le comptoir.
            - Pas du tout. Je suis Jesus Emmanuel P. Taitre, je suis venu au monde pour désennuyer.
            - “De” quoi?
            - C’est pas “D”, c’est “P”, comme “perroquet”.
            - Vous êtes fou, monsieur!
            - Je m’en doutais. C’est où, l’hippodrome?
            - L'Hippodrome des Fortunés? Allez tout droit, vous y arriverez en deux jours.
            C’est dimanche matin, M. P. Taitre s’addresse aux Fortunés, dont Il n’est pas membre, la boulangerie juive fut un accident, ces employés ont la guêle, son petit-déjeuner, il finit par le prendre sous les arbres de la Place Chabel. Vous connaissez, non? C’est près du Centre Malabille, Rue du Tort, on prend à gauche, métro Soupoutre, à deux pas du stand de la bière Saint-Omel.
            Emmanuel montre ses papiers:
            - Je viens de Mars, mais je suis naturalisé.
            Le gardien le comprend d’un coup. D’autant plus qu’il le laisse passer avec un “Bon pari, M. l’Evèque!”
(Imagem: www.slideplayer.fr)

            C’est parce que mon prénom est Jesus, pense-t-il. Ça ouvre des portes, comme un tire-bouchon. Au menu, rien de spécial, sauf cette salade à la peau d’ananas, ces soushis froids et ce couscous d’outre-Sahara. Monsieur s’assoit et commande:
            - Deux demis et deux complets, s’il vous plaît.
            - En liquide, monsieur. Et en avance! On ferme dès que les courses commencent.
            - Mais, ma commande...?
            - Vous en avez pour un quart d’heure.
            - Un appéritif, alors. Avez-vous du Feu Latin?
            - Le “Fuego Del Diabo”? Et ben, oui.
            - Une bouteille et un verre, alors.
            - Excusez-moi:  Vous buvez seul?
            - Comme un héros de Hollywood. Maintenant, dépêchez-vous!
            Emmanuel a vraiment soif car Il défonce la bouteille à moitié en dix minutes. Il lui en reste cinq, alors, au couscous! Puis, l’addition sur la serviette écossaise, un gros pourboire:
            - Le guichet des paris?
            - À droite.
            Les dames élégantes le repoussent du regard. Sous l’effet incontournable du “Fuego Del Diablo”, Il finit par choisir un cheval nommé Katastrophique, qui paye 30/1. “Ça m’arrangera pendant un mois”, pense-t-il. Du haut des gradins Il voit partir les mustangs, Katastrophique traîne loin derrière. Ça se voit sans jumelles, l’espoir du pauvre Jesus s’envole comme les grains de sable de la piste. Il se lève pour partir et c’est quand un cris lui souffle sur les épaules:
            -  Oooh!
            Au dernier virage, un spectaculaire carambolage équin met par terre la première ligne de la course. Des pattes trébuchent en l’air, les jockeys tentent désespérément de redresser leurs montures – et voilà Katastrophique qui passse au beau trot!
            Le locuter faut avaler le micro:
            - Un, deux... mais c’est incroyable... Katastrophique arrive premier!
            Tout payé en liquide et on retrouve M. Jesus Emmanuel P. Taitre à la sortie de l'hippodrome, les poches bourrées de sous. Je vais tenir bon, pense-t-il, comme ça mon  petit chien Mollusque aura des saucisses du Rhin et ma douce souris Izabelle pourra grossir au camembert.  

(Imagem: www.slate.fr)

             - Y a-t-il une charcuterie dans le coin?
©
Abrão Brito Lacerda

22 03 15

segunda-feira, 9 de março de 2015

HEAVEN’S NOT SO EASY


(Imagem: www.whyevolutionistrue.wordpress)

            Those who pray and those who don’t. Those who write poems and those who read them. Those who live every minute as if it were the last one, we all search high  and low for eternity. At old times as well as in the age of the Internet, the same thoughts keep rolling on and on in our minds, after all mankind hasn’t changed so much, we’ve got to watch the news:
            “Men land on Mars and are kidnapped by aliens”
            “Eldelry skateboarder breaks legs but doesn’t give up”
            Where are we heading?
            The other day I met and old friend of mine:
            - Hi, John! How’re ya doing?
            - Got fired, wife’s gone with a neighbour and the planet’s dry and thirsty.
            - No problem’s too difficult to fix. Listen, why don’t you go on a long vacation?
            - How come? I’m totally broken.
            - That’s the point. When you’re upside down, turn it down upright!
            - That’s nonsense. You must be kidding.
            - I’ve never been so serious. If you set your mind to other people’s suffering, you’ll certainly find a way out of your own troubles.
            - But, my bills...
            That reminded me of the time I worked at the Customer Service of a big department store. It was Christmas Eve and a lady stepped into, after smashing the front door open: “That bloody refrigerator you sold me is already broken! I want you to replace it right away!”. I tried to calm her down, but it was useless. She got even angrier and added: “You must refund me for the food I lost as well. You ruined my party for 25 guests.” Then my boss came to my help. He started by praising the shopper for making such a strong complaint, that “will help shopkeepers to improve their service.” He made sure her refrigerator would be replaced in the same day and, turning to me, stated:


(Imagem: www.setster.com)

            - Mr. Brandon will be pleased to pay for all the mess he caused.
            - But it wasn’t his fault – replied the woman, showing surprise.
            - Yes, ma’am, it was. He is the one in charge of the Technical Control, so he’s supposed to predict any possible failure in the machines we sell.
            - But that’s impossible!
            Mr. Thompson, my stric boss, turned a deaf ear to the lady’s arguments and Just went on:
            - And he’ll also be fired. Right on Christmas’ Eve. That’ll teach him a good lesson.
            The lady seemed shocked. A tear pressed up pinto her eyes and rolled down her face.
            - On Christmas’ Eve! stressed my boss. Fired!
            - Sir, for the Jesus Child’s  sake, don’t dismiss him for such a minor thing. I admit I was overwhelmed, give me another refrigerator and I’ll be fine.
            - Are you sure? asked Mr. Thompson in a doubtbul voice.
            - A-absolutely, stuttered the client.
            And looking tenderly at me declared:
            - The poor boy...


(Imagem: www.cartoonstock.com)

            Later on, as I got ready to head home, my Guardian Angel whispered into my ear: “Heaven’s not so easy. If you don’t sympathize, you’re out.”
©
Abrão Brito Lacerda
04 03 15
           

segunda-feira, 2 de março de 2015

A MEIO-PAU


 
(Imagem: www.ghiraldelli.pro.br)
        A história guarda surpresas. Às vezes vamos pra frente, às vezes damos pra trás. Tempos cheios de entusiasmo e fé são sucedidos por outros, pessimistas e inflacionados. Uma geração pretende mudar o mundo, a seguinte ressuscita velhos chavões, alguém já disse que a serpente morde a própria cauda quando se vê em um círculo de fogo.

        Quem já viu de tudo neste mundo, já viu até comunista. É uma espécie rara, atualmente em extinção nos assim chamados países de governo popular, pois fugiram todos pro capitalismo, que pretendem derrubar um dia para, em seu lugar, erguerem o saudosismo.
        Algumas breves do último congresso do Partido Comunista:
        08:00 – Conjuntura interna
        10:00 – Conjuntura externa
        12:00 – Almoço: Strogonoff e salada russa
        14:00 – A conjuntura interna e o Capitalismo
        16:00 – A conjuntura externa e o Capitalismo.
        Dizem que foi a moda que inventou as tendências; na verdade, foi a esquerda: Convergência, Divergência, Aderência, Incontinência, exploravam ao máximo as possibilidades da língua portuguesa. Não tivesse eu flertado com essa parte do nosso léxico, não teria nada para contar, mas adianto que a Convergência Socialista tinha as garotas mais gostosas do movimento estudantil e estiveram muito perto da verdadeira revolução. Para que não digam que estou legislando em causa própria, passo a bola ao Chicão Cucuruto e seus amigos rapaces, os temíveis, os abomináveis CCSC ou Comando de Cooptação Sexual de Comunistas.
        Estávamos na pré-história do Brasil, período compreendido entre o fim do governo militar e o início do governo silvícola atual. Partidos pipocavam feito bomba de São João, era preciso, literalmente, devorar os adversários, poupando as adversárias para a sobremesa. Foi nisso que o CCSC desenvolveu, digamos, hábitos de gourmet, apreciando as mais delicadas iguarias da terra, fusão de raças e cores, perfumes e sabores.
        Lançavam mão de estratégias iconoclastas:
        - Na página cinco do Dezoito Brumário, Marx afirma que os fatos, não nossas paixões, devem conduzir nossa ação.
        - Você leu o Dezoito Brumário? – perguntava a gata, embasbacada.
        - Claro! Venha, vou te mostrar.
        Às vezes era preciso dar prova de maior erudição:
        - O Dezoito Brumário não é a verdadeira obra de Marx – contestava alguma metida.
        - Mas no Manifesto Comunista...
        - Não me venha com essa de Manifesto Comunista! Nessa época Marx ainda pensava como um burguês.
        - Será preciso então analisarmos o capítulo III de O Capital...
        Quase ninguém conhecia o tomo III do Capital. Essa era uma prova cabal de comprometimento com a revolução, a gata não tinha saída:
        - Gostaria que você me mostrasse a passagem...

(Imagem: www.ofelino.blogspot.com)

        E assim rodaram pelo país, como missionários da nova esquerda, entrando e saindo sem parar. E foram parar em Guanambi, uma cidade do sertão da Bahia, mais conhecida pelas manchetes policiais. Não avisaram a eles (dizem que foi vingança) que aquela gente tinha sangue de Lampião, as moças manuseavam um machete tão bem quanto um alicate de unha. O comando central tinha diagnosticado nas paragens um grupo crescente de simpatizantes do partidão (o PC do B), do partidinho (o PCB) e filiais. Seguiram os pretensiosos do CCSC de ônibus pela Rio-Bahia com a incumbência de desbancar o strogonoff e a salada russa e em seu lugar implantar a farofa e o torresminho com mandioca.
        Agenda do 1º Encontro da Esquerda Revolucionária do Sertão da Bahia:
        08:00 – Conjuntura interna
        10:00 – Conjuntura externa
        12:00 – Almoço: Picadinho Burguês com tomate vermelho
        TARDE – Livre para cooptação.
        Instalaram-se os salafrários no hotel mais próximo do centro de convenções, de onde controlavam o entra e sai dos militantes, ou melhor, das militantes, seu único e exclusivo alvo. Imaginem pagar uma cambada dessas para ir encher a pança com a comidinha apimentada do sertão. O cínico do Picles, nome de guerra de um dos companheiros do Chicão, confessou: “As garotas não tinham nada de operárias, eram lisas e saudáveis, pele de canela, cheiro de cravo.”
        Tentaram as velhas táticas:
        - Conforme Marx afirma no Dezoito Brumário...
        - Que Dezoito Brumário, que nada, a gente aqui é de ação!
        Quem só viu uma baiana rebolando atrás de um trio elétrico não imagina do que ela é capaz.
        - Companheira, a “nova esquerda” que está surgindo...
        - Ó xente, coisinha de Minas. Você não entende nada mesmo de revolução. Qual é o número do seu sapato?
        - Quarenta e quatro bico largo.
        - Serve!


        Foram depenados, sugados, amassados feito panos de chão. No dia seguinte, fechamento do congresso, nada      da companheirada de Belo Horizonte chegar para falar da “nova esquerda”. Os convivas aguardavam ansiosos a preleção sobre o Tomo III do Capital, mas o que viram foram três espectros de olhos fundos, como se estivessem usando maquiagem de Frankstein.
        Na foto de encerramento, o Chicão não aguentou nem mesmo levantar o pau da bandeira, que ficou apontada para o chão, com o dizer: “Avante!”. Mas conseguiram converter boa parte da banda feminina aos novos ideais.
©
Abrão Brito Lacerda
24 02 15