Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2014

CONVERSA DE ÍNDIO E MULHER BRANCA

Tam! Taram! Tam! Antes de instalar a lei da selva, índio enviou mensagem à presidenta: “Querer é poder, diz homem branco. Indio quer, índio pode. Igualdade entre povo tapuia e os pelotudos” (era assim que se referiam aos homens brancos). Manifestaram-se diante do congresso nacional e nos estádios de futebol, dançaram o huka-huka, pintados para a guerra.          “Indio quer falar com homem branco nas terras do povo Xamainam”. Não respeitavam Brasília e seu Lago dos Cisnes, por isso a conversa aconteceu no Parque do Xiang, próximo a Manaus (informação que pode ser facilmente verificada em um mapa).          O grande cacique branco levantou o cetro da sabedoria:          - O quê índio quer?          - Indio qué muié.          - Não pode ser espelho, um ap. de dois quartos, um... honda civic?          - Não. Tem que ser muié.          - E por que índio que nunca comeu queijo agora quer goiabada?          - Indio chegou primeiro. Antes do homem branco, índio já comia fruta das matas.     …

BRASIL FUTEBOL CLUBE

Naquela época, a televisão ainda engatinhava e o rádio era o grande meio de comunicação de massa. Jornais não havia no lugar e, se houvesse, faltariam leitores. Cinema, só mesmo o que os meninos inventavam, uma película de plástico, recortada e colada em tirinhas, sobre a qual se desenhavam, a caneta esferográfica, aventuras dos heróis das fitas de cowboy. Entrada: 10 palitinhos de fósforo. Ainda assim havia filas. Quando a Copa do Mundo começou, as transmissões soavam distantes, pareciam vozes de outras galáxias ecoando através do espaço sideral. Nas ruas de terra batida, brincávamos, tentando imitar os lances contados e recontados pelos cronistas. Suprema democracia da infância: lado a lado jogavam Müller, Pelé e Bob Moore! As bolas de plástico já existiam, não precisávamos mais de bolas de meia. O único problema é que o plástico rompia-se facilmente em atrito com o chão áspero, quando a bola batia no arame farpado que cercava o campinho – para protegê-lo dos animais que …