Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

PÁSSAROS ENGAIOLADOS

Desci na Estação Châtelet, na Rive Droite, margem direita do Sena, com destino ao mercado de pássaros que tradicionalmente se abre aos domingos no centro de Paris. Eu havia decidido por uma abordagem mais prudente desde que, na véspera, levara uma carreira de umas putas do lado do Boulevard Saint-Martin. Tudo por que eu, turista afoito, bati uma foto um tanto à la legère, sem pensar. Eu Explico:             Na Rive Droite, bem pertinho do centro, tem uns bairros populares muito interessantes. Por ali se cruza com estudantes, operários, turistas e imigrantes de variada plumagem. À medida que eu subia a Rua Montorgueil, a paisagem mudava subitamente: ora uma profusão de restaurantes (é difícil sentir fome em Paris, há tantos restaurantes que até se perde a vontade de comer), ora um mercado popular, ora umas mulheres exóticas, clic, clic, clic. Inocentemente virei uma esquina e entrei numa rua onde se praticava a venda do corpo, ofício antigo. Havia mais tipos femininos à esco…

BACK IN 1985

No início de 1985, os estudantes João Batista, de Matutina, e Alberto, de Montes Claros, passaram pelo portão enferrujado que encerrava precariamente as dependências do MOFUCE – Movimento Fundação Casa do Estudante – no Bairro Santo Agostinho, em Belo Horizonte. Tinham como missão investigar as condições do local, que havia sido designado para invasão em reunião do DCE – Diretória Central dos Estudantes – da UFMG, acontecida na véspera.             O lugar encontrava-se em péssimo estado. Ele servia de ponto de apoio para moradores de rua e afins, que o utilizavam como privada, depósito de bugigangas e motel. Os banheiros dos primeiro andar, únicos concluídos, estavam depredados e o mato tomava conta das áreas externas.              Alguns dias mais tarde, foi efetivada a ocupação do prédio, uma construção inacabada que deveria servir, como o próprio nome indica, de moradia para estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais. Na falta de uma moradia oficial, e seguindo…