quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

VENTO SUL - A Infância das Histórias





Capa de VENTO SUL, meu primeiro livro impresso
  
Muitas histórias nascem na infância ou nela se inspiram, pois nada se assemelha mais ao ato de contar histórias do que a imaginação infantil. Tornar possível o impossível, inventar, subverter, mesclar, e assim ocupar a mente e sua fábrica de ideias em algo útil, pois mente ociosa é oficina do diabo.
Escrevo para dar sentido às ideias que trocam cotoveladas em minha mente. Mas também pelo prazer que emana da combinação livre das palavras, da possibilidade de fixar uma imagem e assim poder reparti-la indefinidamente, num exercício de liberdade compartilhado com o leitor.
Um caprichado projeto editorial deu ao livro beleza e distinção

Vento Sul, meu livro de estreia na literatura impressa, é composto de dezessete histórias que refletem o universo de minha infância, um universo que não existe mais, um mundo simples e pequeno, entre vila e fazenda. Mundo de jogos e descobertas, de experiências diretas com o tato, o olfato e a visão, assim como de muitos animais. Onde o mais insignificante evento, como a passagem de um circo mambembe, produzia efeitos alucinantes. 
Diagramação cuidadosa, tipos agradáveis de ler: nada foi deixado ao acaso


Algumas histórias apresentam o ponto de vista do menino, com a emoção e o frescor das primeiras experiências, outras têm a marca do adulto irônico, que olha para o passado para parodiá-lo.
São contos, talvez crônicas, um pouco de fábulas. Tentativas de recriar um gênero, pois escrever é contar, recontar, recriar. Um trabalho que passará agora pelo crivo do leitor, que tem o dom da lembrança e do esquecimento.
As histórias são intencionalmente curtas, para serem lidas em dez, quinze ou vinte minutos, de uma só vez. Têm um ritmo particular, que identifico como traços do meu estilo, são fluidas e objetivas. Criadas pelo prazer da escrita para o prazer da leitura.
Publicado em edição do autor através da Editora Scortecci de São Paulo, Vento Sul conta com ilustrações do artista plástico Romeu Célio, de Timóteo, Minas Gerais. Romeu foi um importante parceiro neste projeto e contribuiu com suas estampas para o visual dinâmico e bonito do livro. Uma apresentação gráfica agradável ao olhar e ao manuseio foi uma das preocupações desta edição.





Obrigado a todos que me têm lido neste blog, de propósito ou incidentalmente. Desejo-lhes um ótimo natal e um próspero 2013.

©
Abrão Brito Lacerda