Pular para o conteúdo principal

PAULO LEMINSKI: POESIA DO ACASO





Falarei do acaso para falar de Paulo Leminski (1944 – 1989), um dos poetas modernos que mais admiro e que leio com mais prazer. Pretendo transmitir um pouco da fruição que sinto ao ler seus poemas, como, por exemplo, o prazer do inesperado:

         eu ontem tive a impressão
que deus quis falar comigo
        não lhe dei ouvidos

quem sou eu para falar com deus?
ele que cuide de seus assuntos
eu cuido dos meus

Você achou o poeta petulante demais? Ora, ele está apenas fingindo uma humildade que não possui, pois, enquanto artista, deve buscar o absoluto, o não dito. Deve rivalizar-se com Deus (seus assuntos são tão importantes quanto os do Criador, ora bolas!).
         Acadêmicos e gente que adora esfolar o cérebro dirão que o acaso não existe, mesmo na arte, que tudo é obra de saber e técnica, etc., etc. Mas apreender o acaso é tudo que o artista busca. Mallarmé (vejam minha postagem de 17 de março de 2012 sobre o poema Salut), o mestre que faz os eruditos caírem de joelhos, já ensinou há um século e meio em um célebre poema que Un coup de dés n’abolira jamais le hasard (Um lance de dados jamais abolirá o acaso). Mas o poema de Mallarmé só é acessível a quem conhece bem o francês, voltemos ao Leminski:

parem
eu confesso
sou poeta

cada manhã que nasce
me nasce
uma rosa na face

parem
eu confesso
sou poeta

só meu amor é meu deus
eu sou o seu profeta

O acaso é o que não está no script, o que rompe a fórmula. É o produto de um átimo, que fica para sempre. Capaz das combinações mágicas que fazem a poesia habitar a palavra, mesmo nas coisas mais prosaicas:

minha mãe dizia

- ferve, água!
- frita, ovo!
- pinga, pia!

e tudo obedecia


         Enquanto poeta contemporâneo, pós modernismo, surrealismo e tantos outros ismos, Leminski tem uma natureza essencialmente irônica:

ameixas
ame-as
ou deixe-as

(Aos desavisados, se é que há algum por aí, advirto que este poema parodia o slogan dos militares, no período da ditadura e da repressão: “Brasil: ame-o ou deixe-o”). Eu prefiro as ameixas e, aos milicos: - mamonas!


         Mas Leminski sabe bem depurar sua ironia através do humor, forma mais avançada do movimento do espírito, que permite alcançar um estágio de equilíbrio, próximo à superfície, enquanto a ironia tende ao extremo externo em sua agressividade, que pode levar à indiferença e à destruição.
         É o humor que permite atenuar a sátira:

quando eu tiver setenta anos
então vai acabar esta adolescência

vou largar da vida louca
e terminar minha livre docência

vou fazer o que meu pai quer
começar a vida com passo perfeito

vou fazer o que minha mãe deseja
aproveitar as oportunidades
de virar um pilar da sociedade
e terminar meu curso de direito

então ver tudo em sã consciência
quando acabar esta adolescência

Desejo tudo ao bom Leminski, menos que ele veja “tudo em sã consciência”, pois isto significaria perder suas combinações esdrúxulas, inesperadas e subversivas e voltar à chatice que é o dia a dia e o mundo do trabalho.

         A brevidade é um dos aspectos que mais aprecio na poesia de Leminski, coisa que ele buscou no concretismo e no haicai como demonstra a história das ameixas acima e esta pequena jóia, da qual é sujeito a rainha do rock brasileiro, Rita Lee:

        
A síntese é para mim fundamental na arte da palavra, daí porque escrevo sobre poesia, embora pessoalmente pratique a prosa, publicada através de contos, crônicas e artigos presentes neste blog.
O acaso é um “affaire” de loucos ou desajustados. Tal qual o humor. Em que grupo está o poeta? – Vamos ouvi-lo:

todo bairro tem um louco
que o bairro trata bem
só falta mais um pouco
pra eu ser tratado também

O poeta é a principal vítima de seu humor, como tem que ser, pois no humor as piadas que fazemos acabam sendo sobre nós mesmos. Vejamos abaixo:


          O pomposo filósofo, que se sentou contemplativamente sobre uma pedra à beira mar, foi varrido pela onda – “mar pra tudo quanto é lado” – e provavelmente acabou com a cara na areia. O natural sobrepõe-se ao humano, perfazendo o movimento duplo: de cima para baixo – o humano por terra, convertido em objeto da circunstância e de baixo para cima - a onda sobe, varre a pedra e o mar se converte em sujeito da circunstância.

 O pretensioso varrido pela pedra, poderia muito bem ser o próprio poeta.
Poeta de verdade tem que ser um sem teto da palavra, aceitar sua condição marginal (claro, enquanto todos estão cuidando do trabalho que faz girar a roda do mundo, ele se ocupa de fantasias), talvez uma classe abaixo ainda da do louco da rua.
Após todo este blá-blá-blá, momento de comentar um dos poemas leminskianos de minha predileção:

    a história faz sentido
isto li num livro antigo
    que de tão ambíguo
faz tempo se foi na mão dalgum amigo

    logo chegaremos à conclusão
tudo não passou de somenos
    e voltaremos
à costumeira confusão

Que “marravilha”! Há uma bela ressonância do “Samba do crioulo doido” neste poema, mas é mais filosófico, contemplando nossa incapacidade de explicar em contrapartida ao absolutismo do poema, que demonstra (com palavras, ritmo e som) ao invés de explicar.
Admiro este poema desde os tempos em que esquentava o assento das aulas de história na Universidade Federal de Minas Gerais, embora não o comentasse em voz alta, já que, naquela época (e creio que em certa medida até hoje) defendia-se o caráter “científico” das ciências sociais, inclusive a História.
O livro de história do qual fala o poema perdeu-se casualmente na mão de algum amigo. O poema (realizado com o artifício do arranjo bem humorado dos vocábulos) triunfa sobre a História, ciência que pretende explicar. Alguém duvida? Admito opiniões divergentes, mas sempre estive do lado do poema, do acaso.

E não é que, outro dia, conversando com um professor de história de cursinho, ele me disse que “a História explica, permite ter uma visão avançada sobre o mundo”? Quando recitei o poema acima, o homem ficou indignado, quis sacar a espada e desafiar-me em duelo! (Nem disse a ele que sou também professor de história de formação. Tampouco disse que o Leminski foi também professor de história em cursinho. Preferi deixá-lo em seu pequeno pedestal).
Ah, o humor. Por trás do riso, estimado leitor, esconde a lágrima. O notável poeta Patativa do Assaré (corra para pesquisar algo a respeito dele, antes que o céu caia sobre sua cabeça!) dizia em sua linguagem simples que “pra sê poeta devera, precisa tê sofrimento”. Leminski (que sofreu barbaramente com uma cirrose hepática que o levou à morte) não é exceção:

o pauloleminski
é um cachorro louco
que deve ser morto
a pau a pedra
a fogo a pique
senão é bem capaz
o filhodaputa
de fazer chover
em nosso piquenique

O sofrimento nos ensina sobre as coisas mais profundas, caso contrário, seríamos mera superfície, sorriso de publicidade e cultura de novela. Jamais atingiríamos o estágio do poema, ao qual cedemos a última palavra:

Eu
quando olhos nos olhos
sei quando uma pessoa
está por dentro
ou está por fora

quem está por fora
não segura
um olhar que demora

de dentro do meu centro
este poema me olha





Comentários

  1. Legal. Fui fazer uma pesquisa escolar sobre esse tipo de poesia e acabei gostando muito das do Paulo Leminski. Obrigado essa página ajudou muito. :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de